Feeds:
Posts
Comentários

Archive for julho \30\UTC 2008

:o)

Eu também quilia muita coisa, Digus!

Anúncios

Read Full Post »

Read Full Post »

Melancolia. Essa é a palavra, little darling. Não estou triste, estou melancólica. Sentada no trem, na cabeça uma frase vai e volta. Another summer is passing by. Another summer, another year. My time is passing by. Quem me dera só precisar de grama debaixo dos pés. Não parece um dia de verão. Não tem sol e as plantas estão tristes, amarelas. Amarelas de meu-tempo-já-passou. De vez em quando me sinto um pouco amarela. Deixa, deixa, tem coisa que é melhor nem lembrar – dizia mamãe. Little darling, não me faça lembrar o que mamãe pede que eu esqueça. Um dia escrevi tudo o que eu sentia numa carta. Tudo o que eu sentia cabia numa carta. Tudo numa carta de 2 páginas e meia. Queimei. Lembrei de quando era pequena. Escrevia e depois, para que ninguém descobrisse, cortava o papel em pedacinhos e deixava na água, desfazendo-se. E ficava olhando como, pouco a pouco, as letras perdiam a forma e o papel ia parecendo algodão doce molhado. Estou um pouco amarela. Tem coisa na que é melhor nem pensar. E sabe? Às vezes entendo porquê esse desejo de viver a juventude através de outro; ansia de viver a juventude alheia por já não poder viver a própria. Hoje entendo o que me disse, há algum tempo atrás, uma garota de 20 anos. “Agora é o melhor momento para ter um filho. Quando tivermos 30 anos já não conseguiremos transmitir essa energia que temos agora. Energia incomparável.” Sem perceber suspiro. Menino, vive, vive porque não temos muito tempo, entende? Agora você está preocupado em comer a cutícula, mas, entende? Você tem que viver agora! “Cala a boca e deixa o meu filho em paz!” Essa já perdeu a energia. Amarelo mostarda. Another summer is passing by and we gotta learn how to live with it.

Read Full Post »

Read Full Post »

Wo ist der Mauer?

Read Full Post »

La alegría de comer dulce de plátano en el coche, por la noche. El recuerdo más antiguo. La tristeza de las Barbies con el pelo cortado. El recuerdo más ingenuo. La ansiedad por saltar, el gusto por nadar. La habilidad escalando árboles, la avidez por marcar un gol. La inseguridad del primer día, la nostalgia del último. El sentimiento de que todo puede ser para siempre. La emoción del primer beso, el miedo de la primera vez. La satisfacción de ser bueno en algo. Arrebato. La certeza del éxito merecido. La pérdida del control. El descubrimiento más revelador, la decepción más esperada. Fracaso.

La vida se me va de las manos.

Read Full Post »

%d blogueiros gostam disto: